Resumo histórico da Associação

Dedicação e Coragem ao Serviço da Comunidade

Heróis do Fogo e da Vida

Os Bombeiros Voluntários de Santa Comba Dão tiveram o seu início formal a 6 de Novembro de 1915, data em que se formou a Comissão Promotora pela iniciativa de José Rodrigues da Costa Lemos. As primeiras iniciativas tiveram como objectivo a angariação de fundos.

Só em 1917 a Comissão contacta uma firma do Porto, Machado Júnior, para a aquisição da Bomba braçal, Bomba nº 1, e restante material para combate a incêndios urbanos.

A constituição do 1º Corpo Ativo teve lugar no dia 6 de abril de 1918 e foi seu primeiro comandante José Joaquim de Castro, ficando a instrução a cargo dos Bombeiros Voluntários de Coimbra.

O 1º Regulamento do Corpo de bombeiros data de 25 de Dezembro de 1918.
Em 1925, devido ao desenvolvimento do Bairro da Estação, é decidido que será instalado naquele local uma segunda secção de Bombeiros para combate a incêndios industriais. 

Entretanto José de Lemos transaccionou com o Corpo de Bombeiros Municipais de Lisboa a aquisição da terceira Bomba braçal, sistema Flaud, construída nas oficinas dos próprios bombeiros da capital.

O local onde se guardam as bombas é uma loja com entrada no Beco da Madragôa e pela rua de Santa Columba e começa a ser exíguo. A verba escasseia e os Bombeiros fazem peditórios pelo concelho sempre acompanhados pela Filarmónica 1º de maio.

Em 1928 a Filarmónica é incorporada nos Bombeiros Voluntários por força do Comandante José da Cruz Pereira contra vontade dos filarmónicos dando início a uma crise na Banda. Em 1934 a corporação é reconhecida como instituição de utilidade pública pelo Decreto-lei 23:395

Em 1935 o capitão Gouveia fez um pedido à Comissão Administrativa da Câmara Municipal para a construção de um novo quartel.

Em dezembro de 1937 a Direção presidida por José de Almeida avança para a aquisição de um auto tanque, chassis Ford, que irá dar origem ao Ford V8 que chegou a Santa Comba a 5 de Fevereiro de 1939. No dia 12 é aceite a inscrição na Liga dos Bombeiros Portugueses.
Em maio de 1941 a Direção deliberou permutar os três prédios da Associação, no Beco da Madragôa e na Rua Santa Columba com um prédio da Câmara Municipal na Rua Miguel Neves. 

A 1ª moto-bomba, marca BailotNorlhen e a segunda da OK-22HP são adquiridas em 1942. A terceira, Gunard, é adquirida em 1943. A 1953 é benzida a ambulância Volkswagen, “AG-18-48”, conhecida como “pão de forma”.

A 28 de junho de 1959 chegou a Santa Comba o Bedford, M2, recebido por muitos populares e pela filarmónica. Esta aquisição deveu-se graças a uma década de grandes festas de Bombeiros que se faziam no Largo da Feira e que permitiram angariar verbas suficientes.

O primeiro grande incêndio florestal em termos de registo ocorreu em Setembro de 1965, entre Mortágua e Santa Comba e pela primeira vez ocorreram várias corporações de Bombeiros para o apagar. Década difícil, devido à guerra colonial e à imigração de assalto, (ilegal), para a Europa, principalmente para França, provoca o abandono das florestas e um menor cultivo dos campos. A isto acresce ao aumento da migração para as grandes cidades do litoral. O número de bombeiros escasseava.

Em Santa Comba surgem à frente dos BV figuras que irão empreender novas reformas, cada uma no seu lugar; Carlos Andrade Martins e José Alves Branquinho, secretário e presidente de Direção e Mário Ribeiro de Azevedo, comandante do Corpo Ativo e grande empreendedor que deu tudo o que tinha aos “seus” Bombeiros. É criada a secção do Bombeiros de Pinheiro de Ázere. Carlos Martins vai reavivar a realização das Festas da Vila de forma a angariar fundos e angariar novos sócios. São solicitados subsídios para aquisição da ambulância Citroen DS.

Em junho de 1972 é criado o Corpo Auxiliar Feminino, visto que à época em Portugal não era permitido haver “Bombeiras”. Organizou-se um grande cortejo de oferendas a que todo o concelho correspondeu.

No dia 3 de Dezembro de 1972, foi o desfile/apresentação da Fanfarra dos BV e a chegada do jeep Land Rover.

Em 1974 é construída uma central rádio no quartel e são adquiridos dois rádios para colocar nas viaturas.

António da Rocha e Carmo, nome habitual nos corpos sociais, assume a presidência da Direção em 1979, tomando posse no mesmo ano Mário Emanuel Pais de Sousa. Anteviam-se novos voos. Os membros da Direção foram escolhidos a “dedo”.É adquirida uma nova ambulância, Mercedes TD 240. Em 1981 existiam já inscritas verbas no Orçamento Geral do Estado para a construção do novo quartel. São adquiridas viaturas do exército que os próprios bombeiros transformam em autotanques.

Em junho de 1987 toma posse o comandante Rui Prata dos Santos que vai elevar os Bombeiros a outro patamar, considerando que mais tarde irá acumular com a presidência da Direção.

Em 8 de Dezembro de 1988 é finalmente inaugurado o novo quartel da Várzea.

Em 1991 é adquirida a ambulância Peugeot 505 BQRD. A angariação de fundos para as despesas correntes e desgaste de material é feita junto da comunidade imigrante residentes em Newark, nos Estados Unidos da América onde se deslocam o presidente da direcção, Prof. Sérgio Costa eo comandante Rui Santos.

A inauguração da Heliporto foi no dia 10 de junho de 1993. Construída ao lado do quartel, criaram-se sinergias quer para o combate a incêndios com meios aéreos, um sonho tornado realidade pelo comandante Rui Santos, bem como a permanência de um helicóptero para o transporte de acidentados. Teve também um papel importante a Câmara Municipal na construção das infra-estruturas. A Associação Nacional de Bombeiros atribuiu uma viatura pronto-socorro médio auto tanque, Mercedes Benz, sendo parte da verba custeada pela associação. Também no âmbito do INEM o enfermeiro da Associação José Manuel Mota participou num curso de formação de formadores/enfermeiros de Técnicas de Emergência Médica. Foi feito o aumento do quadro do corpo ativo de três para quatro secções.

O antigo quartel foi objecto de obras de qualificação através de um projeto submetido à aprovação do Programa Comunitário, Líder II.

Em 1997 a Direção deu formação a bombeiros para a instalação de uma futura Base Permanente de Helicópteros.

O Pólo Ecológico foi criado em 1998 com o apoio da ADICES, quando decorria a Expo 98. Foi adquirido uma viatura de material de desencarceramento, e uma viatura médica de emergência Rover 200 SDI. Foi o primeiro corpo de bombeiros dotado de equipamento médico com a aquisição de um monitor desfibrilador e um desfibrilador automático externo, de forma a atuar no pré hospitalar.

O protocolo entre a Associação e a Câmara Municipal permitiu recuperar o antigo quartel dotando-o de um anfiteatro de 88 lugares.

A Câmara Municipal ofereceu em 2004 uma Auto escada Magirus de modo a permitir o combate a incêndios urbanos em prédios de vários andares. No mesmo ano o parque de veículos foi enriquecido com um Auto Tanque Mercedes com capacidade para 12 mil litros.

Os alemães, polícias-bombeiros com os seus quatro helicópteros estiveram em Santa Comba no ano de 2005, ano terrível de incêndios.

O hangar para o Helicóptero do INEM foi construído em 2010.

Em janeiro de 2012 o Governo concedeu ao Comandante Rui Santos a medalha de mérito de protecção e socorro pelas funções de Comandante da Base de Helicópteros em serviço Permanente em Santa Comba Dão. Nesta base esteve permanentemente um heliKamov e servia também como base de reparações. Uma equipa da Força Especial de Bombeiros permitiu desenvolver acções de salvamento e resgate um pouco por todo o país.

Em 2014 estava em funções a 1ª EIP e em abril do mesmo ano entrou ao serviço do Corpo Ativo um auto tanque Renault, de grande capacidade.

Passaram-se 100 anos e o que se espera do Corpo Ativo são mais 100 iguais em coragem, abnegação e dedicação a que os nossos Soldados da Paz nos habituaram.

Resumo histórico preparado por: Dr. José Morais Branquinho
Autor do livro 100 Anos de História, 1915 – 2015,  Associação Humanitária Bombeiros Voluntários Santa Comba Dão